A derrota por 3 a 1 para o Goiás nesta última segunda-feira, pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro revoltou a direção da Chapecoense, que promete pedir a anulação da partida.

Em entrevista para uma rádio, ainda no Serra Dourada, o presidente da Chape - Plínio David de Nes Filho, reclamou muito sobre a atuação da arbitragem, dizendo que entrará com pedido de cancelamento do jogo diante do Goiás.

De acordo com o mandatário do clube catarinense, a decisão de marcar o pênalti de Márcio Araujo em Léo Sena e na expulsão de Bruno Pacheco, na segunda etapa, foram primordiais para a derrota da Chapecoense. Na visão do presidente do clube do oeste catarinense, a arbitragem desta última segunda-feira estava despreparada, faltando ao trio competência.

"Uma arbitragem despreparada prejudicou a Chapecoense no pênalti que não existiu e depois ele deveria ter consultado o VAR na aplicação do cartão vermelho, assim como foi com o Nikão, em São Paulo, quando anulou a expulsão. Vai ver que ele entrou na bola e pegou o jogador adversário depois. Viria que merecia o cartão amarelo", declarou Plínio.

Para complementar, o presidente da Chapecoense ainda declarou o seguinte:

"O futebol está comprometido pela falta de competência. Estamos solicitando o cancelamento da partida pelos erros que ocorreram aqui no jogo de hoje. Alguém tem que começar a tomar alguma atitude. Desta maneira, a gente não pode fazer um futebol sério. Falo do despreparo do árbitro e de quem opera o VAR", finalizou.

Com a derrota, a Chapecoense que soma sete pontos em oito rodadas, está ocupando a 16ª colocação na tabela de classificação, com os mesmos sete pontos do Fortaleza, que é o primeiro time dentro do Z-4.